Manuela Pimentel

Manuela Pimentel relaciona uma abordagem conceptual entre o que está fora e dentro; desconstruindo a formalidade do pensamento entre as paredes e o que ela vê. Aproxima o sussurro e os rastos das pessoas numa procura constante para um mote onde as suas histórias, sejam elas visuais ou auditivas, ganham volume. O seu processo envolve uma temática de repetição onde o padrão procura uma conformidade com as paredes de Raymond Hains; num sentido inverso. A ausência da matéria prima de Hains é a matéria prima de base deste trabalho. Cartazes de rua recortados em quadrados de catorze centímetros, remetendo-nos para a azulejaria. Alinhados em sequências sobre uma tela ou painel de madeira passa a suporte de intervenção, onde frases, stencils, desenhos e mensagens preenchem o murmúrio dos muros das cidades. JAS

OBRA